Óleo Resina de Copaíba (Copaifera oficinalis)

ÉPOCA DE COLHEITA

DADOS FÍSICO-QUÍMICOS E APLICAÇÕES

O óleo resina de copaíba é um dos óleos medicinais mais vendidos na Amazônia. Misturado com mel e andiroba, combate infecções da garganta e processos gerais de influenza. É muito apreciado para tratar infecções no trato respiratório e urinário devido às suas qualidades curativas e antiinflamatórias. É conhecido como um antibiótico natural que age altamente eficaz contra bactérias gram-positivas. No processo industrial-cosmético é utilizado como componente de fragrância em perfumes e preparações cosméticas, devido às suas propriedades antimicrobianas, antiinflamatórias e emolientes. A composição química da copaíba tem aproximadamente 72 sesquiterpenos (hidrocarbonetos) e 28 diterpenos (ácidos carboxílicos), sendo o óleo composto por 50% de cada tipo de terpenos. O sesquiterpeno mais estudado é o cariofileno, que apresenta alta eficiência no alívio da dor e propriedades antifúngicas. Entre os diterpenos destacam-se o ácido caurênico e copálico.

O óleo resina da copaíba é valorizado por suas propriedades antimicrobianas, antiinflamatórias e emolientes. Recomendado para formulações anti-acne e depilatórias; para pele oleosa com propriedades anti-sépticas. Alivia rapidamente a dor e coceira da pele inflamada e irritada.

O óleo resina da copaíba junto com o óleo de andiroba são extremamente eficazes no combate à caspa. No cabelo oleoso, a copaíba ajuda a equilibrar a produção excessiva de oleosidade no couro cabeludo.

USO POPULAR

As utilizações da medicina tradicional para o óleo-resina de copaíba são muitas e indicam uma grande variedade de propriedades farmacológicas. É muito usado como cicatrizante e antiinflamatório para tratar infecções nas vias respiratórias e urinárias. É conhecido como um antibiótico natural altamente eficaz contra bactérias grama-positivas. No processo industrial-cosmético é utilizado como um componente de fragrância em perfumes e em preparações de cosméticos como sabões e cremes por suas propriedades antibactericidas, antiinflamatórias e emolientes.

ECOLOGIA

Existem várias espécies de copaíba e embora apresentem algumas diferenças botânicas, todas são atribuídas a mesma utilização medicinal-cosmética. A copaíbeira é adaptada a uma grande variedade de ambientes, ocorre em florestas tanto de terra firme como nas áreas alagadas, pode alcançar de 25 a 40 metros de altura e viver até 400 anos.

O processo de extração do óleo-resina de copaíba ainda é artesanal. Com um furador, perfura-se a árvore a 60 ou 70 centímetros do chão, até o centro do caule. Em seguida, coloca-se um cano embaixo do orifício para que o óleo escoe até um recipiente colocado no chão. Deixa-se o óleo escorrer por alguns dias, e ao final da colheita, o orifício é vedado com argila para impedir a infestação da árvore por fungos ou cupins. A árvore deverá descansar no mínimo três anos antes da próxima extração. Este processo é denominado extração racional. O rendimento médio de cada árvore adulta é de 4 a 5 litros. A extração do óleo-resina não deve ser realizada antes que a árvore alcance com um diâmetro de 40 cm. A germinação das sementes é rápida, porém, é uma árvore com taxas de crescimento lento alcançando apenas 50 cm por ano.

REFERENCIAS

Ações antiinflamatórias e de alívio da dor: .

Basile, A. C., et al. “Anti-inflammatory activity of oleoresin from Brazilian Copaifera.” J. Ethnopharmacol. 1988; 22: 101–9. .

Ghelardini, C., et al. “Local anaesthetic activity of beta-caryophyllene.” Farmaco. 2001; 56(5-7): 387-9. .

Fernandes, R. M., Contribuição para o conhecimento do efeito antiiinflamatorio e analgesico do balsamo de copaiba e alguns de seus constituintes quimicos. Thesis, 1986. Federal University of Rio de Janeiro. .

Ações Citotóxicas e Anticancerosas: .

Cavalcanti, B. C., et al. “Genotoxicity evaluation of kaurenoic acid, a bioactive diterpenoid present in Copaiba oil.” Food Chem. Toxicol. 2006; 44(3): 388-92. .

Costa-Lotufo, L. V., et al. “The cytotoxic and embryotoxic effects of kaurenoic acid, a diterpene isolated from Copaifera langsdorffi.” Toxicon. 2002; 40(8): 1231–34 .

Ohsaki, A., et al. “The isolation and in vivo potent antitumor activity of clerodane diterpenoids from the oleoresin of Brazilian medicinal plant Copaifera langsdorfii Desfon.” Bioorg. Med. Chem. Lett. 1994; 4: 2889–92 .

Ações Antimicrobianas: .

Wilkins, M., et al. “Characterization of the bactericidal activity of the natural diterpene kaurenoic acid.” Planta Med. 2002 68(5): 452–54. .

Tincusi, B. M., et al. “Antimicrobial terpenoids from the oleoresin of the Peruvian medicinal plant Copaifera paupera." Planta Med. 2002; 68(9): 808–12. .

Ações de proteção celular, anti-úlcera e cicatrização de feridas: .

Paiva, L. A., et al. “Investigation on the wound healing activity of oleo-resin from Copaifera langsdorfii in rats.” Phytother. Res. 2002; 16(8): 737–39. .

Paiva, L. A., et al. “Gastroprotective effect of Copifera langsdorffii oleo-resin on experimental gastric ulcer models in rats.” J. Ethnopharmacol. 1998; 62(1): 73–8. .

Tambe, Y., et al. “Gastric cytoprotection of the non-steroidal anti-inflammatory sesquiterpene, beta-caryophyllene.” Planta Med. 1996; 62(5): 469–70. .

Ações Inseticidas: .

de Mendonca, F. A., et al. "Activities of some Brazilian plants against larvae of the mosquito Aedes aegypti." Fitoterapia. 2005 Dec; 76(7-8): 629-36. .

SHANLEY, P. et. al. : Frutíferas e plantas úteis na vida amazônica, 2005, CIFOR, IMAZON, Editora Supercores, Belém, p. 300. http://www.cifor.org/publications/pdf_files/Books/BShanley0501.pdf .

Apoiando Comunidades

A valorização e o manejo sustentável da floresta amazônica por nossos parceiros comunitários fortalecem a economia local e contribuem decisivamente para a preservação da floresta em pé.